Aprenda a diferenciar o mofo bom do mofo ruim

Você acorda cedo e abre a geladeira para pegar os frios e tomar o café da manhã, mas quando repara, o queijo está mofado. Você já se deparou com essa cena? Nessas horas o único destino possível é o lixo, certo?

E se te falarmos que você pode diferenciar o mofo bom e ruim e não perder mais queijos por conta disso? Pra saber como é só continuar acompanhando o blog de hoje!

Consumir ou descartar?

Para saber se realmente é hora de jogar fora ou se é possível comer o queijo mofado você deve se atentar a alguns pontos, como a validade, a cor, a textura e o aroma que, caso estejam diferentes do original, servem de alerta para o consumidor.

É importante também levar em conta a consistência do queijo para saber se você deve jogar fora por completo ou se ainda pode aproveitar parte do alimento.

• Queijos duros e semiduros: queijos com essa consistência, como Gruyère, Grana Padano, Pecorino, Suíço, Prato e Muçarela são considerados seguros para serem comidos após a retirada da parte mofada.

• Queijos macios, cremosos e ralados: caso seja identificado algum ponto de mofo, eles devem ser jogados fora por completo. A consistência de queijos, como Minas, Ricota e Cottage, e o tipo de corte são influenciadores e permitem que o mofo crie “raízes” mais fundas no alimento, tornando-o completamente impróprio para consumo, mesmo com a parte visível do mofo retirada. Essa dica vale inclusive para o queijo ralado. Caso encontre apenas um pequeno ponto de mofo, descarte todo o pacote.

E o mofo bom?

Nem tudo precisa ser descartado! Existem queijos maravilhosos onde a estrela principal é o mofo e que, sem essa característica, talvez não fossem assim tão gostosos. Um bom exemplo disso são os queijos azuis, como o Gorgonzola e o Roquefort, que contém bolor escuro em todo o alimento. Nesses casos o consumo pode ser feito sem preocupações, pois são seguros para consumo.

Queijos cremosos também podem conter o mofo do bem, como o Camembert e o Brie. A casca branca desses tipos também são formadas por um tipo de mofo. Os dois são igualmente seguros aos queijos azuis e podem ser consumidos sem medo. Porém, por serem cremosos, requerem mais cuidados. Caso encontre outro tipo de bolor estranho nas opções cremosas, é melhor cortar o foco de mofo ou mesmo jogar todo o queijo fora.

Agora que você já sabe como diferenciar os tipos de mofo e a como agir quando encontrá-los, é só aproveitar e diminuir o desperdício!

Está com dúvidas, tem uma sugestão ou quer nos contar suas experiências? Curta a gente no Facebook ou nos siga no Instagram.