Quatro museus do queijo para quem é apaixonado pela iguaria

Organizar uma viagem dá um trabalho, não é mesmo? Pensar em hotel, alimentação, atrações turísticas e claro, montar o itinerário com locais, datas e horários. Para facilitar a sua vida e o seu planejamento com as férias que se aproximam, nós separamos algumas sugestões de museus do queijo que guardam a história, processo de fabricação e os mais variados tipos desta delícia que nós amamos.

Situado a 14 quilômetros da Covilhã, em Portugal, o museu permite que o visitante conheça o processo de fabricação de um dos melhores queijos do mundo, o queijo pêroba. O local possuí dois trajetos paralelos: um museólogo e um gastronômico permitindo diversas experiências sensoriais.

No trajeto museólogo é possível conhecer o meio e o ambiente que envolve o processo de fabricação artesanal do queijo da Serra, as técnicas e os utensílios usados na confecção desta iguaria por meio de um percurso real e recursos multimídia. Nessa parte também é possível conhecer as características do queijo ovelha Kosher, segundo os preceitos da religião judaica.

Agora se você procura um queijo com mais de 600 anos de tradição, o museu ideal para você está em Amsterdam, na Holanda. O Cheese Museum se localiza em um edifício de dois andares onde é possível conhecer os mais diversos tipos de queijos - e muitos deles tem nome de cidades do país, como Gouda, Edam, Leerdammer, Leyden, Maaslander e Maasdam. De todos os queijos do lugar, o destaque fica por conta do cortador de queijo mais caro do mundo com diamantes incrustados. O valor é de aproximadamente € 26 mil, cerca de R$ 80 mil.

Na parte subterrânea é possível encontrar peças antigas usadas na fabricação do queijo gouda. Nessa coleção estão inclusos madeira, liras, latões de leite, prensas e balanças, além do mais famoso acessório Boska que foi desenvolvido especialmente para o corte de queijos.

Mas ao contrário do que muitas pessoas pensam, a Suíça não vive apenas da produção de chocolate. A cidade de Affoltern se destaca por esta iguaria, em especial pelos tradicionais queijos suíços com furos. As visitas podem ser feitas em grupos ou individuais e o museu dá a possibilidade do visitante produzir no final um queijo fresco.

Ainda no país do chocolate, é possível encontrar na pequena cidade do Vale do Emmen, uma linha de produção mais moderna do queijo com cozinhas e fornos industriais. Ali, é possível acompanhar desde a preparação do leite, a criação das rodas e a maturação do queijo.

Aqui no Brasil, nós também temos um museu do queijo. Localizado em Medeiros - um dos municípios de Minas Gerais integrante do Circuito da Serra da Canastra - , o museu se configura como um espaço de convergência e valorização dos saberes e fazeres tradicionais dos queijos de leite cru, dos produtores e famílias e claro, dos apreciadores da iguaria que se tornou um patrimônio cultural do Brasil.